quarta-feira, 21 de maio de 2008

The Plug


O que você faria se encontrasse o seguinte bilhete ao lado de uma câmera fotográfica presa em um banco de um local público?

"Boa tarde!
Eu prendi essa câmera no banco para que você pudesse tirar fotos. Divirta-se!
Eu voltarei mais tarde para pegar a câmera.
Com amor, Jay / The Plug"

Um cidadão americano fez isso na cidade de Atlanta.
As pessoas aceitaram a brincadeira e ao final do dia o filme todo havia sido usado.
As fotos foram reveladas e compartilhadas em um site.
Acesse: http://theplug.net/28/strangerphotos.htm

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Kodak apresenta novo perfil de quem revela fotos

Uma pesquisa realizada em diversos países do mundo pela Info Trends, empresa líder mundial na área de pesquisas de mercado e consultoria estratégica para a indústria de imagens e documentos digitais, aponta uma nova tendência no mercado de fotografia. As pessoas voltaram a revelar fotos, incentivadas principalmente por mulheres. No Brasil, em média 15% das fotos produzidas são reveladas e 21% das pessoas imprimem as imagens menos de uma semana após tirá-las.

O estudo foi encomendado pela Kodak para ajudá-la a definir suas prioridades diante das mudanças rápidas provocadas pela popularização da fotografia digital.

De acordo com Marcio Daniel, diretor comercial da Kodak no Brasil, as mães são o principal público da revelação de fotos. "Elas são as mais preocupadas em preservar as imagens e a memória da família", diz. Entre os formatos de fotografia existentes, o papel, segundo Daniel, é "o único que provoca emoção".

Pode reparar que a pesquisa realmente capta uma tendência de comportamento bem visível em nosso cotidiano. Os homens adoram tirar fotos, mas, na hora de mostrá-las, são quase sempre aquela sua tia ou irmã as mais animadas em qualquer reunião da família. Difícil ver o primão reunindo o pessoal para destacar cada pose, careta ou gafe.

A maioria dos entrevistados (62%) diz que imprime as imagens para compartilhar com a família e os amigos; apenas 24% para emoldurar e decorar a casa. A vontade de "mostrar as fotos" influencia nada menos que 86% dos consumidores.

Segundo a pesquisa, apenas 11% das pessoas nunca revelam fotografias. Por revelar, claro, entenda-se imprimir. Nada disso quer dizer que o conceito digital acabou, muito pelo contrário.

Mudança de foco

A pesquisa traz informações que podem alterar a estratégia das empresas. A própria Kodak, cujo nome sempre esteve associado à fabricação de filmes fotográficos e passou por maus bocados com a explosão da fotografia digital, está redefinindo seus passos e planeja lançar novas câmeras de filme, quase descartáveis e muito baratas.

O investimento em equipamentos para revelação digital também deve crescer - e esperamos que torne a impressão mais barata do que é hoje.

De acordo com o diretor da Comunidade Mundial de Associações da Imagem (PMA), Roberto Ricci, a tendência é que as lojas de fotos se transformem em "lojas de imagem". Em dez anos, o número de pontos de vendas no País despencou de 8 mil para 5 mil. "As lojas demoraram para conhecer os produtos digitais." E esses produtos já estão se modificando novamente. As informações são do O Estado de S. Paulo

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Entrevista com Humberto Lemos

Idealizador do Fotoclube F/508, Humberto é fotógrafo e professor de fotografia.

1.Conte-nos um pouco sobre sua carreira e formação.

Sou publicitário de formação e fotógrafo por opção. Com a impossibilidade de fazer cinema fora do País (nos anos 70 o cinema era impraticável no Brasil) virei assistente de estúdio em uma empresa de publicidade no Rio de Janeiro, começando a minha carreira como fotógrafo.

2. Qual o foco do seu trabalho?

Hoje o meu trabalho é voltado para uma linha mais autoral, diferente do meu início na fotografia onde o foco era essencialmente a fotografia publicitária. Acredito que a tendência da fotografia autoral seja o suporte adequado para essa "nova era" digital, na qual a banalização da fotografia se faz presente.

3.Fale-nos sobre a oficina fotográfica para deficientes visuais " Retratando com a Alma".

(foto: Adalberto Rodrigues)

Partindo do trabalho e das idéias do fotógrafo cego esloveno-francês Evgen Bavcar que propõe a instigante discussão sobre uma construção do olhar na contemporaneidade e vivendo num contexto permeado por preconceitos, os deficientes visuais enfrentam os limites impostos por uma sociedade onde impera a cultura da aparência e da ditadura das imagens que os coloca à margem. Neste sentido, o projeto Retratando com Alma, realizado em 2005, justificou-se pela necessidade de refletir acerca das questões do olhar, de nossos preconceitos perante a cegueira e pela premência da inclusão dos deficientes visuais em nosso cotidiano. Além da possibilidade de resgate, para os participantes do projeto, da auto-estima, de suas memórias e da construção de suas identidades através da realização de fotografias.

O projeto possibilitou uma comunicação entre os cegos e nós videntes, comunicação esta de grande importância para que se perceba a inserção dos deficientes visuais na sociedade, suas vivências e seu olhar através das outras percepções que não a da visão retiniana.


4. Em quais projetos você trabalha atualmente?

(Foto: Gina Mantegna - Argentina)

Minha orientação atual segue com a internacionalização no mercado latino-americano do Fotoclube f/508 do qual sou o coordenador. Em outubro de 2007 organizamos nosso primeiro concurso internacional onde a geometria aplicada à fotografia foi o tema do projeto. Em parceria com 07 fotógrafos venezuelanos, realizaremos uma exposição binacional na qual o tema central será a representação das sete artes de cada País. Em nível pessoal, pretendo dar início ao projeto "Libertas", oficina fotográfica com internos do CAJE e no final do ano lançar um livro cujo tema será centrado em Bauhaus.

5.Qual o diferencial de sua escola?

Os cursos ministrados pelo Fotoclube f/508 tem seu diferencial pelo emprego da semiótica, da antropologia visual e nos conceitos Barthesianos. A escola não se preocupa somente com as questões técnicas inerentes a fotografia, mas também com as questões filosóficas que estão contidas nesta atividade.

6. Como é estudar fotografia em Brasília?

Brasília ainda é uma boa cidade para se praticar a fotografia de rua, diferente de minha terra natal, o Rio de Janeiro. A arquitetura impera e respira por todos os lados, porém, se o estudante de fotografia conseguir se desvincular desse padrão imposto, fugir dos "lugares-comuns" terá um resultado mais satisfatório.

Na UnB temos excelentes nomes voltados ao ensino da fotografia, tais como os integrantes do "Ladrões de Alma" Rinaldo Morelli, Marcelo Feijó e Suzana Dobal, e o professor Duda Bentes. Nosso orgulho é ser o curso referência fora do meio acadêmico.

7.Qual o lado chato da profissão? E o bom?

Com toda a certeza o lado chato da profissão do fotógrafo está no preço dos equipamentos e na concorrência sem ética praticada no mercado. Com o advento da fotografia digital, os aparelhos caem em "desuso" com uma rapidez impressionante, assim como o valor do serviço prestado, sobrando a máxima "Tostines": Cobro pouco por isso trabalho mais ou trabalho mais porque cobro pouco?

Se abrirmos por outro lado, toda a história da fotografia desde os tempos de Nipce, da FSA, Solomon e Magnum, entre outras referências do mesmo patamar, passando pela antropologia visual, lomografia, fotografia alternativa e fotografia experimental, até uma simples macro de um orvalho em uma pétala, saberemos porque é tão bom fotografar.

8.Qual o conselho para um jovem que deseja seguir essa profissão?

No momento que a linguagem digital assume um papel de extrema preponderância na fotografia, meu conselho a quem está começando na profissão é que entenda a filosofia e mecânica da fotografia analógica. Com essa base, o iniciante terá um estofo maior nas concepções e uso das diversas linguagens que a fotografia oferece.

9.O que é fotografia pra você?

A fotografia é definida universalmente como a escrita da luz. Para mim a fotografia é mais do que isso. Para mim a fotografia é nada mais e nada menos do que o ar que eu respiro.

10.Cite fontes de inspiração.

Aqueles que ainda terei o prazer de conhecer.

#10 Jean-Yves Lemoigne

Fotógrafo publicitário, ganhou o Cannes Lions Festival 2007 com a campanha dos jardins.
Website: http://www.jeanyveslemoigne.com/



terça-feira, 13 de maio de 2008

# 9 David Lachapelle

A temática de LaChapelle, além de única e polêmica, é de tal forma peculiar que é fácil reconhecer o seu trabalho em qualquer parte.
WebSite: http://www.davidlachapelle.com



# 8 Christophe Huet

Fotógrafo francês, trabalha em conjunto com outros fotógrafos para conseguir esse excelente resultado.
WebSite:http://www.christophehuet.com/



segunda-feira, 12 de maio de 2008

#7 Brian Walker

Artista digital contemporâneo, produz fotos que misturam realidade com fantasia.
WebSite: http://www.lickthesun.com






sexta-feira, 9 de maio de 2008

#6 Sven Prim

O sueco Sven Prim tem uma capacidade acima da média para manipulação de imagem. Esse é para quem gosta de temas mórbidos.
Website: http://www.svenprim.com




quinta-feira, 8 de maio de 2008

#5 Christophe Gilbert

Belga especializado em publicidade. Excelente fotógrafo e artista visual contemporâneo.
Website: http://www.christophegilbert.com



quarta-feira, 7 de maio de 2008

# 4 Holger Pooten

Adidas, Intel, Nike, Orange o Panasonic são alguns de seus clientes.Holger tem 32 anos, nasceu na Alemanha e mora em Londres. Website: http://www.holgerpooten.com



segunda-feira, 5 de maio de 2008

# 3 Joey Lawrence

Joey é um jovem fotógrafo canadense. O ensaio que mais me chamou a atenção foi o dos moradores de rua. Website: http://www.joeyl.com




domingo, 4 de maio de 2008

# 2 Joan Charmant

Joan realiza, na maioria de suas fotos, edições para participar dos concursos do site: http://www.worth1000.com
Vale a pena conferir o site dos concursos e também o site do Joan: http://www.joancharmant.com/

sexta-feira, 2 de maio de 2008

#1 Rebekka Guðleifsdóttir

Apresentarei uma seqüência de 10 posts de fotógrafos internacionais talentosos. Nada melhor que começar com uma mulher:

Rebekka é islandesa, fotógrafa e artista plástica. Realiza trabalhos interessantes, onde ela tira sua própria fotografia e faz a edição.
Suas fotos fazem muito sucesso no flickr: http://www.flickr.com/photos/rebba
Website: http://www.rebekkagudleifs.com






Nada mal, hein?